Habitações experimentais podem aliviar os problemas habitacionais das grandes cidades

Habitações experimentais podem aliviar os problemas habitacionais das grandes cidades

A vida nos grandes centros pode ser cheia de oportunidades, mas também possui inúmeros desafios que crescem proporcionalmente à evolução das metrópoles. Os problemas são muitos: trânsito, descarte de resíduos, poluição, acesso à cultura e lazer, preços de aluguel e outros aspectos que impactam na qualidade de vida urbana. A Engenharia Civil do século XXI está cada vez focada em desenvolver soluções que aliviem as tensões habitacionais nas grandes cidades de forma criativa e inovadora, e a tecnologia é a principal aliada nessa missão.

Nos Estados Unidos, uma mini casa autossustentável foi criada com o objetivo de resolver o déficit habitacional a nível global. Desenvolvido pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e pelo Centro para Ecossistemas em Arquitetura da Universidade de Yale, o projeto tem foco na sustentabilidade de forma criativa e completamente acessível. Construída com materiais renováveis e com apenas 22 m², a pequena casa acomoda até quatro pessoas em um ambiente feito de componentes flexíveis e adaptáveis para se viver ou trabalhar. Além de funcionar com energia solar, a minicasa possui um sistema de captação de água e uma horta vertical para o cultivo de hortaliças.

Aqui no Brasil, diversas startups estão concentrando esforços na criação de modelos parecidos e que contribuam para solucionar os problemas habitacionais no país. A Inovatech Engenharia, uma consultora de sustentabilidade na Construção Civil, é a responsável pelo Casa24h, um projeto que constrói uma casa em apenas 24 horas de forma tecnológica e sustentável. Baseada no conceito off-site, o empreendimento é totalmente industrializado e construído de forma sinérgica com as diferentes etapas do projeto. Como ela é “montada” em galpões e não em canteiros de obra, a Casa24h também traz benefícios para a segurança de trabalhadores envolvidos na iniciativa, pois as operações são realizadas em um ambiente controlado e sob as melhores práticas.

Além das casas pré-moldadas de forma industrializada, uma alternativa é o uso de impressoras 3D com concretagem de material reciclado. Também construídas de forma ágil e com o mínimo de impacto ambiental, essas habitações possuem baixo custo e podem ser utilizadas para oferecer moradia de qualidade nas grandes cidades. O Brasil ainda está nas fases iniciais do uso dessa tecnologia, mas ela se apresenta como uma das fortes tendências para os próximos anos graças à forte digitalização do setor de Construção Civil no país.